CHIQUINHO DA MANGUEIRA

XIV Jogos Especiais na Vila Olímpica da Mangueira

A Estação Primeira de Mangueira, através do seu Programa Social, realizará, nos próximos dias 29 e 30 de outubro, os XIV Jogos Especiais da Mangueira. São dois dias de grande festa, com atividades esportivas, jogos, brincadeiras, música e dança, destinados às pessoas com deficiência.

O evento, que acontece tradicionalmente na Vila Olímpica da Mangueira, reunirá em torno de 3800 pessoas, oriundas das 40 instituições convidadas, a exemplo da Pestalozzi de Niterói, da Associação de Assistência do Excepcional, das Vilas Olímpicas da Prefeitura do Rio, do Centro de Reabilitação e Reintegração Anna Freud – CREART, da Escola Especial Favo de Mel, da de várias unidades da APAE, da Associação de Pais e Amigos de pessoas Portadoras de Deficiencia dos Funcionários do Banco do Brasil – APABB, entre outras.

Cerca de 200 profissionais são envolvidos no trabalho de mobilização que inclui as modalidades de atletismo, natação, vôlei especial, futebol, cabo de guerra, habilidades motoras e dominó. Todos os participantes recebem medalhas de participação, camisas e brindes do evento. Além de almoço, lanche e troféus para as instituições.

Com mais esta ação, o Programa Social da Mangueira vem mantendo a tradição no desenvolvimento de iniciativas e projetos que promovam o bem estar e a qualidade de vida de milhares de pessoas através de suas ações. Ao completar sua 14ª edição, a iniciativa da realização dos Jogos Especiais da Mangueira, pode ser considerada como um grande passo na promoção e atenção integral às crianças, adolescentes e adultos com deficiência física e/ou mental, através de uma proposta que visa desenvolver atividades terapêuticas, esportivas educacionais e sociais.

Segundo o presidente da Estação Primeira e fundador do programa social que está comemorando 25 anos em 2014, Chiquinho da Mangueira, eventos como este são importantes para que haja uma grande interação entre atletas, familiares e profissionais. “A proposta dos Jogos é que todos se sintam incluídos no contexto social, sem que haja limites. É preciso resgatar a cidadania e oferecer novas perspectivas para pessoas tão especiais”, finalizou Chiquinho.

ESCREVA SEU COMENTÁRIO